quinta-feira, 28 de janeiro de 2010

Matheus Carrieri: da novela "A barba azul"e “Amor com amor se paga” de Ivani Ribeiro e do “Boa noite, Cinderela”

Matheus Carrieri: do ‘Boa noite, Cinderela’
Publicada em 08/07/2007
Elizabete Antunes - O Globo RIO -
Matheus Carrieri, 43 anos, é outro exemplo de criança que começou na TV, no caso dele, ainda bebê, usando os olhos azuis como chamariz em campanhas publicitárias, e depois foi parar em novelas. Mas, a trajetória do ator, que participou do júri do “Boa noite, Cinderela”, programa criado em 1968, por Silvio Santos, em que uma criança pobre ganhava brinquedos e eletrodomésticos, e que ficou no ar por dez anos, não foi exatamente o que ele sonhou.
Matheus, que no passado fez um filme pornô, pela produtora Brasileirinhas, e posou quatro vezes nu, sendo que a terceira, em 2004, ao lado do filho, Kaike, hoje com 24 anos, diz que não se arrepende de nada.— É claro que, no começo da minha carreira, eu não imaginava isso. Pensava que eu ia ser o galã da novela das oito. Mas não depende de mim. Não posso bater na porta de uma emissora e pedir isso — conta o ator paulista. — Mas eu fiz esse filme pornô porque a proposta financeira foi muito boa. É um mercado que no Brasil pode se desenvolver bastante.
As pessoas imaginam muita coisa, devem achar que é uma grande suruba, que todo mundo vai transar com todo mundo, mas é tudo levado muito a sério.Sobre as fotos, ele também afirma que o dinheiro e a necessidade dele pesaram na decisão. Mas diz que a novidade também o atraiu.— Se eu fosse o mocinho do horário nobre, talvez não fizesse essas fotos. O Fábio Assunção é um ótimo ator e é bonito... Se ele não tivesse tido a oportunidade que teve, quem sabe? Tenho cinco bocas para alimentar lá em casa.
Não dá pra ficar escolhendo muito, o importante é fazer algo com dignidade. Matheus, que é casado e tem quatro filhos, atualmente faz parte do elenco do humorístico “Sem controle”, do SBT:Se eu fosse o mocinho do horário nobre, talvez não fizesse essas fotos— Tem gente que pode considerar apelativo, porque tem muita mulher pelada, mas eu me divirto. E estou contratado no SBT.
Eu não tinha contrato fixo desde que sai da Record, em 2002 — diz. — Mas nunca fiquei sem fazer nada. É que quando não estamos na TV, principalmente na Rede Globo, as pessoas acham que estamos sumidos. Ou na geladeira. Se eu não estava na TV, estava no teatro (em 2005, ele fez a peça “Dois quartos de motel” e, em agosto próximo, estréia “O amante do meu marido”). E depois de um tempo você aprende que a carreira de ator é mais do que estar em alguma das três novelas da Globo.
amorcomamorsepaga.jpg
O ator, que estreou na TV na novela "A barba azul" de Ivani Ribeiro de 1974 e em “Um dia, o amor” (de Teixeira Filho), em 1975, na Tupi, com Carlos Zara como galã, confessa que também aceitou fazer filme pornô e fotos nuas para não perder seu padrão de vida.— A primeira vez que fotografei fiquei estimulado por ser uma coisa ainda pioneira (ele posou em 1998, um ano depois de a revista ser lançada). O outro motivo foi o fato de que fazer pé-de-meia é complicado nesse país. Moro num belo apartamento, que é meu, troco de carro periodicamente, posso tomar um bom vinho.. Nunca vão me ver chorando pitangas na TV porque estou sem dinheiro.
Sou meio bronco com esse lance de depressão, os psicanalistas que não me escutem, mas só tem depressão quem pode, eu preciso trabalhar — frisa ele, que é formado em educação física. — E eu pensava: se mulher sai na “Playboy” e ganha glamour, por que não fazer? Mas o nu masculino ainda é visto com muito preconceito.Matheus conta que esperou que a novela infanto-juvenil “Chiquititas”, na qual ele atuava, saísse do ar para publicar o ensaio.— Não tenho certeza, mas acho que nunca perdi trabalho por causa disso. Tanto que depois eu fiz novelas na Record — diz ele, que participou de “Estrela de Fogo” (em 98) e “Louca paixão” (99), ambas de Yves Dumont, Paulo Cabral e Lilinha Viveiros.
Em 2001, Matheus foi um dos confinados da primeira versão da “Casa dos artistas”, do SBT. Mas hoje ele torce o nariz para o reality show.
Se pudesse voltar no tempo, a decisão teria sido outra.— Esse período eu não ponho no currículo. Não me arrependo porque financeiramente foi bom, mas não dá credibilidade a ninguém. E o pessoal da mídia acha que eu só fiz isso. Ninguém se dá ao trabalho de fazer uma pesquisa antes de me entrevistar para ver quantas novelas e trabalhos eu já fiz — reclama ele, que também atuou em folhetins na Band, como “Os imigrantes” (81) e “O campeão” (96). — E acho que a “Casa dos artistas” fechou as portas para mim na Rede Globo. Mas eu não sai de um reality show, nem sou um ex-BBB.
Na Rede Globo, o último trabalho de Matheus foi em “Vira-lata” (De Carlos Lombardi), em 1996.
O convite para entrar para a emissora veio do diretor Atílio Riccó.— Ele me chamou para fazer “Amor com amor se paga” (de Ivani Ribeiro, em 1984). Era João Paulo, o par romântico da Mayara Magri (Rosemary) — relembra ele, que, depois de “Vira-lata”, ainda participou de episódios do “Você decide”. — Às vezes eu ligava para o Herval (Rossano) e ele me botava no “Você decide”. Hoje eu não sou amigo nem tenho o telefone do Ricardo Waddington (diretor de núcleo da Globo), por exemplo.
Blog de teledramaturgianatvpioneira :TELEDRAMATURGIA NA TV PIONEIRA, MARIA ESTELANA FOTO ACIMA: VIDA ALVES, MARIA ESTELA, CUBEROS NETO E GEÓRGIA GOMIDE NO LANÇAMENTO DO LIVRO SOBRE A TV TUPI)
UM DIA, O AMOR - Escrita por Teixeira Filho, com direção de David Grinberg. Tudo tem início, quando Ricardo Amaral do Prado Júnior (Carlos Zara), jovem de bom caráter, ingressa na faculdade de Economia, juntamente com Amadeu (Henrique Martins), seu grande amigo e Marília (Maria Estela), seu grande amor. Eles já se conheciam desde o ginásio e foi,neste período, que Ricardo conseguiu seu primeiro emprego, como office boy na empresa do Dr. Marcial Medeiros e Albuquerque (Rodolfo Mayer).
Esse casado com Lucinha (Lélia Abramo) e pai de Amadeu. Não que Ricardo precisasse trabalhar, pois seu pai, o velho arquiteto Dr. Prado (Renato Restier) lhe dava de tudo. Mas, ele buscava sua auto-afirmação. De office boy,tornou-se gerente da filial, da matriz e finalmente implantou o Banco de Investimentos do B.M.A. Dr. Marcial sempre teve um carinho especial por Ricardo. Diziam que ele gostava mais de Ricardo do que do próprio filho.Ricardo se forma com louvor e Amadeu conquista seu diploma graças ao auxílio do amigo. Nesta época, Marília rompe o namoro com Ricardo e para surpresa de todos, casa-se com Amadeu.
Desiludido, Ricardo se casa com Belinha, uma antiga amiga da faculdade. Belinha dá a Ricardo três filhas: Maria Leonor (Glauce Graieb), Maria Cecília (Liza Vieira) e Maria Isabel (Nádia Lippi). Maria Leonor, a mais velha, recusa-se a casar com Walter (Flávio Galvão), pois se sente mãe das irmãs, depois que a mãe das meninas faleceu. Maria Cecília chega a se casar com Marcos (Amilton Monteiro), um jovem arquiteto, mas volta inesperadamente para a casa do pai, na noite de núpcias. É a mais divertida das irmãs. A mais nova, Maria Isabel, é a mais rebelde das três. Namora Mauro (Cleston Teixeira) e vive a aprontar mil loucuras.
Depois que enviuvou, Ricardo nunca mais quis casar. Foge das especulações, mas o real motivo é que ainda ama Marília. Depois de vinte quatro anos, com um fi lho, Marília regressa ao Brasil, vinda da Itália, disposta a se separar de Amadeu. Amadeu nunca lhe deu o devido valor e a trai com Marina (Noira Mello), uma viúva rica, que conheceu na Itália. Pressentindo que a decisão de Marília tem fundamento no amor que ainda sente por Ricardo, Amadeu traça um plano para arruinar o antigo amigo.Para isso, conta com a ajuda do inescrupuloso Zanata (Felipe Carone).Adriana (Denise Del Vecchio), que não conheceu a falecida irmã Belinha, através de informações, chega a Ricardo e as sobrinhas. Blog de teledramaturgianatvpioneira :TELEDRAMATURGIA NA TV PIONEIRA, LIZA VIEIRA
(NA FOTO ACIMA: LIZA VIEIRA E MAURO GIANFRANCESCO NO LANÇAMENTO DO LIVRO SOBRE A TV TUPI).
Termina por se instalar na mansão do cunhado e passa a cortejá-lo desbragadamente. Outra que também deseja desposar Ricardo é Suely (Lucy Meirelles), uma solteirona desesperada, que trabalha para ele como secretária. A trama ganha expectativa, quando Maria Leonor descobre que não é filha legítima e sim adotiva.
Ela nasceu do relacionamento entre Amadeu e Maria Eunice (Cleyde Yaconis). Amadeu recém casado, tinha ido para Europa,sem saber da gravidez de Maria Eunice. Ricardo e Belinha, tomando conhecimento da situação, resolvem adotar a criança. Ao voltar ao Brasil, Amadeu faz chantagem com Ricardo, ameaçando contar para a moça que ela é adotiva. Não sabe ele, no entanto, que ela é sua fi lha. Para complicar ainda mais a situação, Maria Leonor começa a namorar Leonardo (Fausto Rocha Jr.), fi lho de Amadeu e Marília, seu meio-irmão. As externas foram gravadas no bairro do Butantã e na cidade de Jundiaí.
Além dos já citados, figuraram no elenco: Eleonor Bruno (Emília), Vera Nunes (Arlinda), Luiz Carlos de Moraes (Maurício), Rildo Gonçalves (Dr. Celso), Leonor Navarro (Dona Generosa), Maria Aparecida Baxter (Mariana), Geny Prado (Eulália), Marcelo Coutinho (Toninho), Eduardo Abbas (Homero), Edgar Franco (Bento), Hilquias de Oliveira (Gustavo), Miriam Rodrigues (Rosa), Zodja Pereira (Sílvia), Márcia Rita Huri (Helena), Mário Couto (Chico), Wanda Guglielmello (Bibi), Miro Ferri (Onofre), Lucila Lancaster (Beata), Matheus Roberto Carrieri (Bio), Odair Toledo (Meridiano), Ana Luiza Lancaster, Douglas Mazzola, Regina Nogueira, Rubens Pignatari.
Supervisão de Carlos Zara. Sonoplastia de Pedro Jacinto. Teve repercussão popular o trio feminino formado por Glauce Graieb, Liza Vieira e Nádia Lippi excessivamente belas e charmosas. Maria Estela tinha sua primeira oportunidade como protagonista, em uma novela da Tupi. Mais um dos grandes sucessos de Teixeira Filho. Exibida de 22 de setembro a 29 de maio de 1976, às 19 h. (NOVELA - UM DIA, O AMOR - TV TUPI- 1975)
Um Dia, o Amor (1975 a 29 de maio de 1976)

A emissora investia no autor que lhe dera o sucesso Ídolo de Pano e no maior galã da casa, Carlos Zara. A atriz Cleyde Yáconis entrou para o elenco no decorrer da novela.

Trilha Sonora Nacional
Tanto Amor (Aurora) - Maria Odette e Carlos Zara (tema de abertura)
Solo Pleno de Sogni - Flávio Carvalho
É Sempre o Mesmo Amor - Os 3 Morais
Maria Isabel - Cleston Teixeira (tema de Maria Isabel)
Te Quero, Amor - Márcio Prado (tema de Marília)
Tudo Bem - Antônio Carlos de Carvalho
Nada na Cuca - Flávio Carvalho
Tema Triste - Luiz Arruda Paes (tema de Ricardo)
Tema de Cecília - Luiz Fabiano (tema de Maria Cecília)
Brinquei de Querer Você - Ângelo Antônio
Leonor - Os 3 Morais (tema de Maria Leonor)
Aurora (Tanto Amor) - Luiz Arruda Paes
Trilha Sonora Internacional
Aurora - Massimo Guantini (tema de Ricardo)
Me And My Love - Ace Spectrum
Tornerai, Tornerò - Homo Sapiens (tema de Maria Leonor)
I Don't Want To Lose You - Spinners (tema de Ricardo e Marília)
We Must To Live Together - Black Island Group
Love Is Alive - Gary Wright
Haunted (By Your Love) - Blue Magic (tema de Maria Cecília)
I Found Love - The Sweepers
Goodnight - Mickey Newbury
Every Beat Of My Heart - Ronnie Jones
Part Time Love - David Gates (tema de Maria Isabel)
Lady In Blue - Joe Dolan (tema de Lucinha)

Liza Vieira, atriz de TV, teatro e cinema.

Trabalhou nas seguintes novelas:

2007 Maria Esperança - Taís (SBT)
2000 Marcas da Paixão - Iza (Rede Record)
1998 Alma de Pedra - Berenice (Rede Record)
1997 Direito de Vencer (Rede Record)
1997 A Filha do Demônio (Rede Record)
1989 Cortina de Vidro - Cláudia (SBT)
1986 Selva de Pedra - Clarice
1982 Sétimo Sentido - Érica Rezende
1981 O Amor É Nosso - Suzana
1980 Coração Alado - Ieda
1978 A Sucessora - Adélia Figueira
1977 Um Sol Maior - Eliane (TV Tupi)
1975 Um Dia, o Amor - Maria Cecília (TV Tupi)
1975 O Velho, o Menino e o Burro - Regina (TV Tupi)
1974 O Machão - Bianca (TV Tupi)


1973 Mulheres de Areia - Carola (TV Tupi)
1972 Camomila e Bem-me-quer - Verinha (TV Tupi)

http://www.teledramaturgia.com.br/teixeira.htm


Um comentário: